BUSCA

Sétimo prospecta Recife - Arte, cultura e a responsabilidade social

compartilhe:


CONVITE
Sétimo PROSPECTA | RECIFE
Biênio 2016-17 - “O Futuro da Técnica e do Planeta”.

O Assunto:
“Arte, Cultura e Responsabilidade Social”
Dia 26 de Abril- 16:00 horas
Biblioteca Central - Auditório 3,Campus UFPE Recife.

Editorial

“A Arte existe porque a vida não basta”. (Ferreira Gullar)
“Faça como o velho marinheiro, que durante o nevoeiro,
leva barco devagar” (Paulinho da Viola)

Em tempos de grandes dificuldades, a Arte aparece como uma energia singular de muitos
povos e em variados tempos. Literalmente abalados com acontecimentos sociais os mais
diversos, muitos artistas expressaram e vêm expressando seu espanto diante dos
acontecimentos do mundo, através da Arte. Pensamos que a Guernica de Picasso é um
desses exemplos que faz com que a Arte possa ser aproximada do que aqui denominamos
“responsabilidade social”, entendendo-a como atitude cidadã, como ação ou espécie de
consciência em prol do bem de todos.

Ao mesmo tempo, o termo “Cultura”, desde as manifestações que unificam, em certos
aspectos (principalmente aqueles fisiológicos) os seres humanos, ou que testemunham a
rica diversidade de hábitos e costumes existentes na humanidade, também parece carregar
consigo a dimensão da Responsabilidade Social. Sem esforço de aprofundamentos, a
Cultura passa necessariamente pelo Direito (um exemplo impar da criação humana, do
ponto de vista social), porque através do entendimento de Cultura podem ser construídas
leis e regras das sociedades - mas passa também pelos modos expontâneos de se
expressar e de se comportar diante da vida, por parte de um povo.

Assim, modos de se expressar se insere no contexto da Responsabilidade
Social: Cultura, por um lado, expressa os modos de ser e de viver de determinadas comunidades, enquanto a Arte, mesmo que sempre singular, pode expressar compromisso, pode ser a voz ativa de um povo.
Estudiosos da Arte que, como Luckács, caminham com o olhar do compromisso social, inclusive, entendem-na como “auto-consciência do desenvolvimento da humanidade”.

Desde muito tempo, portanto, parece que essa compreensão de Arte e de Cultura, mesmo
se por prismas diversos, tem se mostrado presente na Historia da Humanidade. Mas, e no
futuro? O que podemos esperar dessas manifestações tão inerentes a uma comprometimento ético se a humanidade desandar para um modo de ser que prime pelo
individualismo, ou mesmo por um estagio humano que se afaste de uma vida mais sociável?

É este o tema que o Instituto Futuro, em parceria com a Pro-Reitora de Extensão e Cultura da UFPE, apresenta neste Sétimo Prospecta Recife. É neste universo que convidamos todos a prospectarmos juntos as diversas dimensões da Cultura e da Arte que se inserem no contexto da responsabilidade social.

Estarão prospectando conosco, os palestrantes

Francisco Sá Barreto - Historiador e Sociologo, Professor do Departamento de Antropologia da UFPE, atua principalmente em temas como Pós-colonialidade, Memória, democracia e contemporaneidade; cidades e cultura política; processos de patrimonialização.

Clara Moreira - Arquiteta e Artista Plastica. Sua arte faz interagir o desenho com o cinema. Autora de cartazes de vários filmes
pernambucanos.

Moacir dos Anjos - Pesquisador e curador de arte contemporânea da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife, Pós-Doutor em arte transnacional, identidade e nação e professor do Instituto de Cultura e Arte da Universidade federal do Ceará.

E será nosso comentador,

Luis Reis - Professor do Departamento de Teoria da Arte e Expressão Artística da UFPE. estudioso da obra do teatrólogo de Hermilo Borba Filho é diretor de Cultura da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (Proexc) da
UFPE.

Contamos com você, no dia 26 de Abril, próximo, as 16:00 h, no auditório 3 da Biblioteca Central. Campus UFPE Recife

Fonte: Instituto Futuro

RBCM. Laboratório de Investigação do Espaço da Arquitetura. Departamento de Arquitetura e Urbanismo. Centro de Artes e Comunicação. UFPE . Recife — PE. (81) 2126.7362